/** PIXELS **/ /** PIXELS **/
NOTÍCIAS




Cresce preocupação com desperdício de alimentos



 

A América Latina perde 127 milhões de toneladas de alimentos a cada ano. Um quinto das carnes, um quarto dos cereais e mais da metade das frutas e verduras ficam pelo caminho e não são consumidos, estima a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Problemas estruturais de produção e logística respondem por parte desse cenário, mas o consumidor final também tem sua parcela de culpa — e não apenas no que diz respeito a comida estragada. Pesquisa recente revelou que 60% dos brasileiros têm o hábito de descartar alimentos ainda em boas condições.

Em um mundo de população crescente e recursos escassos, a questão ganha urgência. Segundo a FAO, a humanidade já desperdiça um terço de tudo aquilo que produz para se alimentar, num total de 1,3 bilhão de toneladas jogadas fora.

A redução do desperdício à metade é um dos objetivos da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). É uma meta ambiciosa. Conforme estimativa da consultoria Boston Consulting Group, se persistir o ritmo atual, até 2030 a perda será de 2 bilhões de toneladas.

Isso significará um baque de US$ 1,5 trilhão (mais de R$ 6 trilhões) na economia mundial. Esse valor inclui os custos da energia para produzir a comida descartada e da comercialização e armazenagem. Além disso há o chamado custo de oportunidade: a “perda” de tudo aquilo que não está sendo produzido em razão do uso da infraestrutura na produção de alimentos que serão perdidos.

O representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, destaca que o impacto econômico pode ser sentido no supermercado:

— Os produtos ficam mais caros porque o custo do desperdício é embutido no preço final para o consumidor. Quando desperdiçamos, estamos fazendo um mal a nós mesmos.

 

Impacto ambiental

Bojanic também chama a atenção para o fator ambiental. O apodrecimento de alimentos que ficam pelo caminho e não recebem o tratamento adequado libera no ar e no solo gases e substâncias poluentes, tais como o gás carbônico, o gás metano e o ácido nitroso.

— As emissões de gases do efeito estufa por desperdício de alimentos são equivalentes às de todo o parque automotor do mundo — alerta.

O caso brasileiro é particularmente desafiador porque reúne graus diferentes de obstáculos, explica Gustavo Porpino, analista da Secretaria de Inovação e Negócios da Embrapa.

— Os países mais desenvolvidos concentram o desperdício na etapa de consumo. Problemas derivados da logística inadequada são vivenciados pelos países mais subdesenvolvidos.

A perda pré-consumo pode ocorrer em vários momentos: na colheita, armazenagem, processamento ou transporte. Porpino observa que a infraestrutura do país não tem acompanhado o avanço produtivo no campo, criando gargalos.

— A produção de alimentos no Brasil cresceu exponencialmente nas últimas três décadas, mas os investimentos em agrologística para escoar a safra não foram suficientes.

Esses gargalos são diferentes para cada nível de produtor.

— Os pequenos e médios produtores têm dificuldades de acessar conhecimento por meio da assistência técnica e da extensão rural, porque a rede pública nos estados enfrenta contingenciamento de recursos. Também há dificuldade de acesso ao mercado. Por outro lado, grandes produtores precisam atender altos padrões de qualidade exigidos pelo comprador, e parte da perda é derivada dessas exigências no padrão estético — explica.

Segundo a FAO, 28% da perda anual de alimentos se dá ainda na fase de produção. Outros 17% ocorrem durante o transporte. Deficiências estruturais e burocracia estão entre as causas apontadas para justificar as falhas na distribuição.

Diretor-executivo da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Bruno Batista aponta que todos os tipos de transporte mais usados têm alguma defasagem: nas rodovias, falta pavimentação e duplicação; nas ferrovias, a integração entre regiões é dificultada pela falta de uniformidade; os rios têm ampla gama de problemas.

— Há dificuldades na implementação dos investimentos programados, em virtude de lentidão na elaboração de planos, incorreções nos projetos e dificuldades em processos licitatórios. A participação do setor privado, apesar dos avanços regulatórios atuais, enfrenta obstáculos pela insegurança institucional — lamenta ele.

Esses problemas estruturais causam acidentes e atrasos que levam à perda de produtos no caminho. Também há gargalos nos pontos de distribuição e recebimento, em especial nos portos, diz.

 

Sem políticas

O Brasil não possui uma política nacional de combate ao desperdício de alimentos estruturada em lei. Não é por falta de tentativa: há iniciativas tramitando há mais de 20 anos.

Um exemplo é a chamada Lei do Bom Samaritano, um projeto do Senado apresentado em 1997 e que até hoje não foi aprovado em definitivo. Seu intuito é incentivar pessoas e empresas a doar alimentos em excesso para instituições de caridade. Para isso, o texto propõe isentar o doador de responsabilidade em caso de dano ao beneficiário.

O projeto passou no Senado, mas aguarda análise da Câmara dos Deputados.

Situação semelhante vive a proposta, mais recente, de criação da Política Nacional de Combate ao Desperdício de Alimentos. Ela normatiza o processo de doação de alimentos sobressalentes. Aprovado em 2016, também está na Câmara.

Além de facilitar a doação, outra possível via de ação do Legislativo é a desoneração de tecnologias que prolongam a vida útil dos alimentos, como embalagens inteligentes.

A FAO calcula que, na América Latina, maus hábitos em casa, como a tradição de fartura à mesa, respondem por quase um terço do desperdício. Para a nutricionista Andrezza Botelho, mudar essa cultura para obter o máximo aproveitamento dos alimentos tem um impacto positivo social, ambiental e também na saúde.

— As pessoas não prestam atenção no que comem — diz.

A mudança de hábitos passa por toda a relação com a comida, das compras até o preparo e o consumo, afirma a nutricionista.

A conscientização não precisa vir do dia para a noite. Construir uma nova relação com a comida é um processo gradual, diz a autônoma Nicole Berndt, que há dois anos vem transformando a rotina familiar para reduzir a produção de lixo.

Ela conta que começou a buscar produtos mais saudáveis e naturais para combater alergias. Nessa procura, acabou entrando em contato com iniciativas de estímulo à redução do desperdício.

— Mudei a forma de consumir. Parei de frequentar grandes supermercados e fui para lojas a granel, onde posso levar potinhos para comprar coisas que são compotáveis. Compro a quantidade que eu preciso, apenas o que usamos. É muito difícil estragar.

Nicole relata suas experiências no blog Casa sem Lixo, em que compartilha dicas para uma vida com menos rejeitos. A sugestão que ela dá a quem quiser embarcar nesse estilo é não radicalizar.

— Comece por onde é mais fácil. Mexer com alimentação é mexer com hábitos. Tem que ser gradativo.

 

Mais notícias


05 de fevereiro (sexta feira
Ata da 24ª Assembleia Geral Extraordinária realizada em 11 de dezembro de 2020

Novas tarifas de vale transporte reajustadas.
Assembléia Geral Extraordinária a ser realizada em 14 de novembro de 2018
Publicado o novo valor do salário família a ser pago em 2018
83 3241.5148
Avenida Pombal, 368-A, Manaíra, João Pessoa - PB • CEP: 58 038 240
Seg a Sex: 8h às 17h

Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Área Interna:
WEBMAIL